Amigos seguidores..

segunda-feira, março 07, 2011

3

Um bebê chegando em casa, e agora o que fazer com meu amigo cão?

A chegada de um novo bebê dita muitas vezes a partida do cão, seja para outra casa ou até mesmo para o canil ou para a rua. Com uma boa educação e sempre supervisionados, cães e crianças podem-se tornar os melhores amigos.


- Assim que se descobre que a família vai receber um novo membro, é necessário ter a certeza que daí a alguns meses, tudo está pronto para receber o novo bebê. No que diz respeito ao cão não é necessário encontrar-lhe uma nova casa, mas sim iniciar ou reforçar o treino de obediência básica.

Cão educado
- O cão deve ver o dono como líder e cabe ao dono ditar ao cão o que este pode ou não fazer. Se o cão obedecer ao dono, torna-se mais fácil controlar as suas reações. O cão deve obedecer sem resistência aos comandos “deita”, “senta” e “fica” e vir também quando é chamado. 
- Outro aspecto importante a treinar com o cão é a recepção que este faz aos donos. O cão não deve saltar para os receber, pois vai passar a ser comum entrarem com o bebê em casa. Se não tiver experiência no treino de cães, pode recorrer a um profissional que o vai auxiliar nesta e noutras questões.
- Para tentar dar algum realismo ao treino do cão, pode ensaiar as tarefas diárias que vai ter com o bebê em frente ao cão, por exemplo, passear com algo no colo de um lado para o outro ou embalar um boneco na cadeira de baloiço.
- Lembre-se que o treino deve ser feito com base no reforço positivo, isto é, recompensar o cão sempre que ele obedecer aos comandos. Se persistentemente castigar o cão, ele acaba por associar o bebê a castigos e assim comprometer a relação entre os dois.
- Para além das actividades, pode ser útil habituar o cão ao choro do bebê. Para isso existem CD’s ou até vídeos na internet que pode por a tocar em casa.

Vinda do hospital
- Dê-lhe um cobertor do bebê antes do mesmo ir para casa para ele se ir habituando ao novo cheiro.
- Geralmente a mãe passa alguns dias no hospital na altura do parto e é normal que quando regressa, o cão a receba de forma entusiástica. Por isso, a dona deve entrar em casa sem o bebé, para evitar castigar o cão por estar entusiasmado com a vinda da dona e possivelmente até saltar. Depois, quando o cão acalmar, o dono pode entrar com o bebê.
- O cão e o bebê só devem ser apresentados quando o cão estiver calmo e o bebê, de preferência, a dormir, para que o facto de o bebê se mexer não causar muita excitação no animal. Um dos pais deve segurar o bebê e o outro deve segurar o cão pela trela. Não é necessário que o cão se aproxime demasiado do bebê, basta permanecer a alguns metros, já que os cães têm um óptimo faro e não necessitam de colar o nariz ao bebê para sentir o cheiro dele. Ao apresentar o bebê, mande o cão sentar e ofereça-lhe recompensas se este se mantiver sentado.
- Depois da primeira apresentação, pode repetir o ritual ao longo de alguns dias e quando sentir que o cão não vai saltar para o bebê ou tentar mordiscar, pode retirar a trela ao cão.



Acesso limitado
- Se tiver um cão demasiado activo e excitado, pode ser melhor não deixar o cão entrar no quarto do bebê. Isto permite-lhe cuidar do bebê, mudar a fralda, dar de mamar, etc. sem que o cão esteja a incomodar. Também é útil quando o bebê está a dormir. Se, pelo contrário, o cão é bastante obediente e permanece calmo, deitado quando o manda, poderá deixar o cão entrar no quarto do bebê quando acompanhado.


Supervisão constante
- Nunca deve deixar o cão interagir com o bebê sem supervisão. Os cães são animais de instintos que podem associar os bebês a presas ou brinquedos, devido ao pequeno tamanho. Os cães são particularmente atraídos pelo barulho, os choros, e o abanar das pernas e braços.


Sem negligência
- Se pretende que o cão não se ressinta da vinda do bebé para casa, deve continuar a dar-lhe o carinho que antes demonstrava. Reserve meia hora por dia para uma sessão de brincadeira, enquanto o bebé estiver a dormir.
Preocupação 
- É natural que os pais estejam preocupados e ansiosos com o novo rebento, mas se mantiverem a supervisão da interação da criança com o animal, não há razão para grandes alarmismos. A maioria dos cães adapta-se aos bebês sem problemas, desde que os donos continuem a dar ao cão a atenção a que tinha direito antes do nascimento do novo bebê.




Quando bem integrados na família, os cães criam uma ligação profunda com os bebés e serão maravilhosamente amigos e protectores das crianças.


3 comentários:

Cátia Amélia disse...

Minha querida amiga,adoreiiiiii demais o seu blog.
Estou te seguindo e vou levar para o meu cantinho a campanha....depois vc passa lá e dá uma olhada pra ver se ficou bom.
Seja muito bem vinda lá no meu cantinho,querida.
Se precisar de mim para alguma coisa...é só deixar recado,tá!
Fiz um selinho para presentear minhas amigas pelo trabalho e dedicação,adoraria se vc aceitasse um selinho....se aceitar é só passar lá no meu cantinho e pegar o seu querida!
Um beijão da amiga
http://catiaartesmanuais.blogspot.com/

Nikita Roraima disse...

Gostei muito da sua matéria, axo bem legal essa coisa de crianças e cachorros. A minha shih tzu dorme na cama junto com meus filhos, imagine só. Qd eu a coloco na cama, meus filhos já estão dormindo e ela enche minha filha de lambeijos, rsrsrs, bj muito e eu acho lindo o carinho dela por eles, principalmente pela Jo que brinca mais com ela. Bj e feliz dia da Mulher, moça!! rsrsr bjokitas

Cantinho Meu Bem disse...

Olá Caci, acabei de ler sua postagem e gostei muito. Fala de bastante coisa muita informaçôes. Já tive alguns cães. Acho que 3. Um de cada vez, rsrs. Te lendo lembrei do meu útimo o Meylon ele era de raça de cão dos bravos. Ñ sei dizer agora qual era. Mas ele ñ tinha a mínima educaçao,rsrs. Ficamos com ele por pouco tempo pq ninguém o controlava. E até as bricadeiras estavam se tornando perigosas. Quando a gente soltava ele, ele saia sem querer saber o que tinha pela frente. Então damos ele da alguém que tinha roça.

Um grande beijo querida.